A importância da embalagem para conservar alimentos e reduzir o desperdício

0

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), se o desperdício de alimentos fosse um país, seria o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa, abaixo apenas de China e EUA. A perda ocorre em todo o ciclo de vida do alimento: na produção (quando a comida não escoada apodrece no campo), no transporte e até em casa (quando o prazo de validade vence). A FAO calcula que essas perdas atinjam 1,3 bilhões de toneladas, anualmente, a um valor de mercado de US$ 750 bilhões.

Para quantificar a função desempenhada por essas embalagens, a Braskem, fabricante brasileira de resinas termoplásticas, fez um estudo comparativo para calcular o custo total das embalagens e compará-lo ao benefício que elas trazem ao reduzir perdas de alimentos. A Plastics Europe, associação dos fabricantes europeus de plásticos, estima que o uso de embalagens, em geral, pode reduzir as perdas de alimentos em 20%. “As embalagens são consideradas vilãs, mas, antes de virar lixo, exercem uma função importantíssima”, afirma Yuki Kabe, responsável na Braskem pela Avaliação de Ciclo de Vida (ACV).

A ACV permite entender todos os custos e benefícios de cada produto para a sociedade e o meio ambiente, ao incorporar ao custo de mercado do produto todos os impactos negativos e positivos que causa na natureza, como a contaminação do solo e da água, a poluição do ar ou a retenção de CO2 (no caso de plantas). “Esses custos indiretos, ou externalidades, não são absorvidos pela indústria hoje. E acabam sendo pagos por toda a sociedade, afetando sua qualidade de vida. A água e o solo estão acabando e fica cada vez mais difícil produzir o mesmo produto no futuro”, diz Jorge Soto, diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem.

O estudo encomendado pela Braskem à Trucost, empresa britânica especializada em mensurar externalidades, avaliou três alimentos em geral embalados em plástico, com valores adaptados para o Brasil: iogurte, arroz e carne. A escolha se baseou em três aspectos: esses alimentos integram os três grupos mais consumidos no país (carne, lácteos e cereais), são embalados, sobretudo em plástico e sua produção é de grande impacto, assim como seu volume de desperdício.

Segundo a FAO, em média, 23% da carne produzida no mundo é perdida antes de ser consumida; no caso de laticínios, a taxa é de 16%; e no de grãos, fica em 14%. Lembrando que a Plastics Europe estima uma queda de 30% dessas perdas com o uso de embalagens plásticas, as embalagens responderiam, portanto, pela redução de 30% dos 23% do desperdício de carne (ou seja, as embalagens plásticas reduziriam em quase 7% as perdas de carne), cerca de 5% das de iogurte e de 4% das de arroz.

abre11-10-16

Com as externalidades absorvidas, o custo real da tonelada da carne seria US$ 8.900, o do arroz, US$ 970, e do iogurte, US$ 706, segundo valores atribuídos pela The Economics of Ecosystems and Biodiversity (TEEB), iniciativa global para “fazer visível o valor da natureza”. Ao ajudarem a evitar o desperdício desses alimentos, as embalagens evitam a perda de US$ 614, US$ 39 e US$ 34, respectivamente. “Como o custo verdadeiro das embalagens é de aproximadamente US$ 4 (carne), US$ 1 (arroz) e US$ 8 (iogurte), o benefício ou externalidade positiva da embalagem é 148 vezes maior no caso da carne, quatro vezes no caso do iogurte e 43 vezes mais no arroz do que a externalidade negativa (o custo verdadeiro) da embalagem plástica”, afirma Kabe.

Ele alerta que a proposta de eliminação das embalagens pode aumentar o impacto ambiental, porque o desperdício dos alimentos será ainda maior. “Devemos concentrar nosso esforço em fazer embalagens mais eficazes e reduzir seu impacto ambiental. Isso tem mais valor e é mais benéfico do que atacar a embalagem como a raiz do problema. A mensagem do estudo é que o impacto negativo existe, mas o caminho não é a eliminação das embalagens”, ressalta Yuri.

Matéria extraída do site da ABRE.