JOVEM CRIA “EMBALAGEM INVISÍVEL” QUE AMPLIA EM ATÉ 10 DIAS A VIDA DE FRUTAS

20

O estudante de biologia Josemar Gonçalves de Oliveira Silva criou uma solução de baixo custo que pode aumentar em até 10 dias a conservação de frutas. Reunindo fécula (polvilho ou amido) de mandioca e óleo de cravo-da-índia, o jovem de 20 anos descobriu que as frutas mergulhadas no líquido com esses ingredientes ganham tempo considerável no transporte ou de exposição nas prateleiras dos mercados.

Além da mandioca e do cravo, a solução usa água. Ela dissolve a fécula da mandioca e distribui o óleo sobre a casca do alimento.

A mandioca servirá como a capa da embalagem. Já o “princípio ativo” vem do óleo do cravo, que tem função antimicrobiana. A “embalagem invisível”, ou seja, a película que se forma sobre o alimento após a secagem, pode ser comida ou retirada na lavagem.

“A fórmula impede o desenvolvimento de micro-organismos, principalmente os fungos”, explica o aluno do campus de Planaltina do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB).

“Além disso, traz outras melhorias ao alimento, como retardar a maturação, melhorar as características externas e aumentar o tempo de vida de prateleira dos frutos, isso tudo sem alterar as características originais do produto”, afirmou.

O projeto foi batizado como “Embalagem Biodegradável e Ativa com Função Antimicrobiana para Aplicação em Alimentos”. “É o que a gente chama de embalagem ativa, que interage com o alimento controlando determinada característica”, explica.

A meta do estudante agora é realizar a patente e verificar alternativas de automatização para uso em grande escala. Apesar disso, ele diz que os pequenos produtores já podem apostar na mistura dos itens para ampliar a preservação das frutas.

A “embalagem ativa” rendeu ao estudante o prêmio de melhor projeto na 4ª Semana de Produção Científica do Instituto Federal de Brasília. Silva também recebeu um convite para estágio na Universidade de São Paulo (USP).

(Fonte: G1, 01 de setembro de 2015)

Matéria extraída do site ABRE – Associação Brasileira de Embalagem.